Os portugueses têm de salvar-se de si próprios, para salvarem Portugal

quarta-feira, 6 de junho de 2007

1113. Pinturas fotográficas (8)

Um belo reflexo
Leon Perrault
...

6 comentários:

Eduardo P.L. disse...

Ruben, pintura tem moda!
Estas estão fora de moda. Mas pintura boa é eterna! São atemporais. E umas tantas dessas, o são!

Ruvasa disse...

Viva, Eduardo!

Desculpa, mas ai discordo. O que é bom não tem moda, não passa de moda. Rubens, Rembrandt, Michelangelo, Tintoretto e tantos outros não têm mesmo moda. Melhor dito, estarão sempre na moda.

Mas eu sou suspeito, porque, em matéria de pintura, provavelmente fiquei-me pelo barroco, embora possa apreciar outras técnicas, expressões, correntes.

Abraço grande

Ruben

Eduardo P.L. disse...

Ruben, você não discordou. Disse dos Rembrants, Michelangelos, e tantos outros, que são ETERNOS.Concordamos. Mas a forma como pintaram, saiu de moda! Ninguém mais pinta à moda deles , porque esta fora de moda! E não é só de tecnica que estamos falando. Aconteceu a invensão da fotografia, da imprensa moderna, e os objetivos da antiga pintura foram substituidos por outras necessidades.Não mais copiar a natureza, mas recria-la! Até chegarmos a abstração total e completa. Daí , como tudo, voltamos para o realismo, hiper-realismo e etc...e o mundo continua dando voltas!
Bom fim de feriado, com um forte abraço.

Ruvasa disse...

Viva, Eduardo!

Tem razão. Não discordamos. Aliás, como podia eu discordar de um artista como Você, Eduardo?

* * *

Quanto ao feriado, está a passar.

Mas hoje estou moralmente um bocado em baixo. É que, daqui a 3 dias, no próximo domingo, comemora-se o dia de Portugal

(por acaso nunca percebi porque neste dia, quando a fundação, quanto a mim, não se verificou em 1143, em Zamora (tratado), mas sim em 1 de Novembro de 1139, quando Afonso Henriques foi coroado rei de Portugal. O tratado de Zamora, em 1143 (ignoro a data) que vai servindo de referência para a contagem inicial da existência do reino, mais não foi do que o reconhecimento, por Afonso VII, de Castela e Leão, da existência de uma situação de facto, que era a existência de Portugal, território e gentes sobre que ele já não detinha qualquer autoridade desde, pelo menos, 1139)

Ora, ao comemorar-se o Dia da Nação Portuguesa, devia haver razões para regozijo. Não há. Temos que esperar por tempos melhores. Que não se sabe quando virão.

Abraço

Ruben

Eduardo P.L. disse...

Amigo Ruben, obrigado pela pequena aula sobre as datas da fundação de PORTUGAL, que de fato já não me recordava das aulas de história dos tempos de escola!( Tantos anos quantos os de Portugal)
Mas anime-se, quando as coisas estão assim, só PODEM melhorar! Não é mesmo?

Forte abraço,

Ruvasa disse...

Viva, Eduardo!

É a esperança que nos resta.

Mas o que mais nos desanima, caro Eduardo, nem é a situação económica e social, embora graves.

O que mais desanima é a ausência de moralidade (não de moralismo) que se detecta por todo o lado, a começar precisamente onde nunca devia chegar.

Portugal está a perder a dignidade ou, dito de outra forma, estão a irar-lhe toda a dignidade e honorabilidade.

E isso que dói, amigo. E muito.

Quanto ao resto, somos velhos pr'a caramba, não? Nós, Portugal e os portugueses, claro...

Abraço

Ruben