Os portugueses têm de salvar-se de si próprios, para salvarem Portugal

quinta-feira, 1 de maio de 2008

1529. Gentes

Parte de um grupo
de tibetanos de Lha Tse,
aldeia perdida
no deserto planáltico,
que tanto se preocuparam
e cuidaram da saúde
de um de nós,
que chegou a inspirar
sérios cuidados,
por força da hipóxia
(falta de oxigenação adequada),
quando da passagem
pelos 5230m de altitude.


A solicitude dos tibetanos
foi muito tocante.










Uma bela tibetana,
vendedora ambulante
de "souvenirs",
em Lhasa,
a 3.700m de altitude.









...

8 comentários:

Isabel Magalhães disse...

Certamente já não realizarei o sonho de ir ao Tibet, ao Nepal, de andar no Transiberiano...


Abraço, Ruben e bom feriado.

I.

Ruvasa disse...

Viva, Isabel!

O Transiberiano foi um sonho também irrealizável. Por ser muito caro e difícil.

Há agora outro ainda mais incrível, que vai de Pequim a Lhasa, quase sempre acima dos 5.000m de altitude, construído sobre o gelo, com uma técnica especialíssima, mesmo à chinês. As carruagens são "climatizadas" com oxigénio e dispõem de médicos e enfermeiros em permanência.

Como estes foram impossíveis, bem como o Oriente Expresso, que é4 de um preço "louco", vou ver se este ano tento o Flecha Vermelha, de Tallin, na Estónia, para Moscovo e daí para São Petersburgo.

Abraço e igual feriado dos trabaladores.

Ruben

Mariz disse...

Grata pelo comentário, embora não convencida...
gosto mais deste local,deveras, tem mais a ver comigo, embora nunca tenha lá ido. Penso porém quem passa por lá jamais será a mesma pessoa...tal como em Santiago.A magia é diferente.
Bom....não quero maçá-lo para não se sentir "obrigado" a responder.
Espavo! - como diriam alguns
e que quer dizer literalmente: "reconhecendo a Luz que há em si"
Ab
Mariz

Ruvasa disse...

Viva, Mariz!

Os comentários agradecem-se? Ou basta emiti-los e recebê-los?

De qualquer modo, também eu digo "espavo!", muito embora não seja nem tenha sido - ao que presumo - lemuriano, razão por que não posso,também, meter-me muito na discussão que persiste quanto a várias coisas, como sendo a localização do respectivo continente e até à verdadeira tradução do termo, que uns garantem ser aquela que a Mariz refere, ao que outros contrapõem "obrigado pelo seu poder" e outros ainda, "Olá!" e mesmo "Adeus!"

Ainda bem que não há por cá nenhum Lemuriano... Provavelmente haveria muita gente a ficar desiludida pois que ninguém nos garante qual delas está certa e mesmo se alguma o está.

E quanto à localização? Uns situam-no no Pacífico, outros no Índico,outros na Atlântico. para todos os gostos, portanto.

Concedo a mim mesmo que seja no Pacífico, ali para as bandas da Ilha da Páscoa (onde, infelizmente, não me foi possível ir quando de uma vista ao Chile, em 2004).

Mas... (há sempre um mas)

E se o continente não era mesmo continente, mas apenas e tão só um festival da Roma Antiga?

Quid juris?

De qualquer modo, ESPAVO!

Abraço

Ruben

Mariz disse...

Estava a fechar a sua página e de repente reparo na tibetana que tem um estilo de roca com pedras azuis na mão. Sabe para que é que aquilo serve? Quando eles oram, ditando mantras, por exemplo: "Om Mam Maitreya Suha" - que é dirigido ao novo Senhor do Mundo que se espera venha encabeçar uma nova ordem espiritual, eles colocam perto do rosto, por forma que o som da palavra siga com o vento que é provocado por aquela "roca" e leve a oração até mais longe. Penso até que produz um leve som dentro. Já não me lembro bem. E também usam uma campaínhazinhas nos dedos - metálicas - para iniciarem a oração e finalizarem sempre que entram em meditação.
Pronto depois desta explicação dirigida á sua parte espiritual - é sempre bom saber estes rituais, porque assim estamos em uníssono com as possíveis doutrinas/manifestações perante o sagrado - os Indys conheço melhor, embora não utilizem tantos instrumentos de oração, praticam mantras e meditam.

então:
Namaste - há quem ponha acento no ê
e Espavo!

é só bons votos...vai daqui santificado. Até deve sentir-se melhor...mais leve, não?
Ah! oa Yoguis também dizem Namaste, mas ainda OM SHANTI - eu sou Paz.
OM- som primordial e que quer dizer: EU SOU
SHANTI - do Sânscrito: PAZ

Guarde isto com carinho...vai aqui muito boa energia.

Mariz

Ruvasa disse...

Viva, Mariaz!

Sei. Eu sou curioso e pergunto sempre a razão das coisas. Desde os meus 3/4 anos de idade, em que, embora com um QI "médiozito", julgo eu que é mediozito, situado entre os 75 e os 130, consegui, frente a um mapa de Portugal, perguntando à amiga que todas as tardes na mesma sala passava a ferro, que ponto era "este", que linha era "aquela", apreendê-lo quase todo, sem falhas.

Comecei assim, mas fui-me perdendo pelo caminho...

Quanto à "roca", embora tenha achado muito curiosa, seduziram-me mais os enormes sinos sempre a girar, por nossa iniciativa e impulso, que levam o som da ladaínha da oração muito mais longe. Trouxe a réplica que um, claro.

Abraço

Ruben

mariz disse...

Viva Ruben

Agora é que reparei...
Essa do mariaz é gira vou adoptar! - mas com os "ás" abertos!

Mesmo inconscientemente - por erro/gralha - obrigada.

ESPAVO!

Ab.

Mariaz - boa!

Ruvasa disse...

Viva, Mariz!

O "Mariaz" surgiu de um lapso, a que se juntaram ops efeitos da terceira Idade.

Comecei por escrever "Maria", tentei emendar para "Mariz"... catrapumba!

Essa do "Mariaz" poderia atré soar quase como "mariachis". Ora, presumo que nada tenha a ver.

Abraço, Maria, que também pode ser Mariz, mas não Mariaz menos ainda Mariachis.

Ruben