Os portugueses têm de salvar-se de si próprios, para salvarem Portugal

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

1759. As tribos do rio Omo

O vale inferior do Omo situa-se a 800km de Adis Abeba, capital da Etiópia. Tem uma área de mais de 4000m2. É habitado por várias tribos, como os Karo, Mursi, Hamer, Bume, Konso, OImorate, etc.

Nele podem, ser encontrados restos paleontológicos, com mais de três milhões de anos, de hominí
deos como o australopiteco ou o homo habilis.

Lá nos confins da Etiópia, longe da civilização, durante seis anos, Hans Sylvester fotografou tribos em que homens, mulheres, crianças e velhos são verdadeiros génios de uma arte ancestral.
Eles têm o dom da pintura e os seus corpos de dois metros de altura são imensas e inesgotáveis telas, em permanente renovação.

Fique com alguns assombrosos exemplos dessa arte milenar.


Gentileza de R. Wokam

* * *



































Click, para ampliar
( continua )
...
...

7 comentários:

Georgia disse...

Lindo demais todo este espetáculo.

E gostei muito da Aldeia Vermelha, eu adoro essa mistura de casa antiga com verde natureza.

Abracos

Ruvasa disse...

Viva, Geórgia!

Ainda bem que gostou.

Esta colecção das tribos do rio Omo é igualmente muito interessante.

Volte sempre. É um prazer sabê-la por cá.

Abraços

Ruben

Isabel Magalhães disse...

Ruben;

Estou a gostar...

Vou seguir com o maior interesse.


Bj

I.

Ruvasa disse...

Viva, Isabel!

Há pinturas magníficas.
Como se trata de povos primitivos, pode ser que uma ou outra possa parecer mais... avant garde!

Enfim! Espero que não apareça por aí uma congregação de "falsos moralistas" que me denunciem ao Blogger, muito embora o que eu vou publicar nada tenha que o mereça.

Bj

Ruben

Maria Augusta disse...

Acho muito bonito, usam o próprio corpo como suporte para estas obras de arte...
Um abraço.

Ruvasa disse...

Viva, Maria Augusta!

Obrigado pela visita.

Vou continuar a publicar fotos destas tribos. Hoje mesmo.

Abraço

Ruben

Lica Veríssimo disse...

Incrível.
Não tinha conhecimento deste povo. Que maravilhosa exposição de "sabedoria". Todos temos um dom.
Abraços