Os portugueses têm de salvar-se de si próprios, para salvarem Portugal

sexta-feira, 9 de maio de 2008

1547. Fotografia de esplendor

Grande Canal de Veneza à noite
desconheço a autoria
Click no foto,
para ampliar

...

15 comentários:

Isabel Magalhães disse...

Ruben;

Tenho saudades de Veneza.

Numa próxima oportunidade quero ficar alojada num dos Hoteis nos canais e não em Veneza - Mestre como da última vez.

Abraço

I.

Lucy disse...

Arre, compadre! Não é que fica difícil atravessar o seu canal!?

Até que entro no seu sítio, mas primeiro que as (com)portas se abram... ou dá erro, ou me fazem esperar pela próxima gôndola(post).

Isto é um 'sítio' altamente sofisticado! Seria melhor desligar os alarmes...he,he,he...

Nunca fui a Veneza - lugar dos meus sonhos... mas acho que já lá vivi noutra vida... (hoje estou para a brincadeira....)

Abraço, desta sua recém-comadrezita,
Lucy

Ruvasa disse...

Viva, Isabel!

Também eu, amiga, também eu.

A primeira vez que lá fui, em 1995, fiquei hospedado em Pádua: da segunda vez, em 2002, em Mestre.

Em Veneza, o Hotel em que gostaria de ficar era o "Daniela", com frente para baía e lado para o canal da ponte dos Suspiros, salvo erro.

E dinheiro para isso?! Aquilo é fogo, pelo que julgo saber.

Abraço

Ruben

Ruvasa disse...

Viva, comadrecita!

Antes de mais, embora sabendo que lhe custou entrar aqui - é de propósito porque aqui a freguesia é muito seleccionada... - deixe-me que lhe pergunte:

- Então, já vê os videos e ouve os mp3? E que tal, gostou?

Quanto a Veneza, realmente vale a pena. Antigamente dizia-se "ver Veneza e, a seguir, morrer".

Também não é preciso tal exagero, mas que vale a pena, lá isso...

Mas também Florença, a grande capital do Renascimento italiano, a cidade dos Bórgia, degli Signori.

Se tivesse possibilidades, iria viver para lá, pelo menos uma temporada. Mas, se tivesse possibilidades, iria viver para tantos sítios, que acabava por não conseguir viver em sítio nenhum...


Abraço, comadrecita!

Ruben

Isabel Magalhães disse...

Ruben;

Acho que quando lá fui da primeira vez, aí por meados dos anos 80, tb fiquei em Mestre mas não perdi a esperança de ficar num Hotel nos canais embora saiba que é caro para um bolso português. :)

Andei a pesquizar hoteis em Roma, -quero voltar a Roma - e fiquei de boca aberta com o preço. Estamos mesmo sem 'poder de compra'...

[]
I.

Isabel Magalhães disse...

Ruben;

Acho que quando lá fui da primeira vez, aí por meados dos anos 80, tb fiquei em Mestre mas não perdi a esperança de ficar num Hotel nos canais embora saiba que é caro para um bolso português. :)

Andei a pesquizar hoteis em Roma, -quero voltar a Roma - e fiquei de boca aberta com o preço. Estamos mesmo sem 'poder de compra'...

[]
I.

mariz disse...

La bella Venezia...é bela sim, mas a Grécia...para mim, é mais bela ainda.Eu gosto de grandes horizontes, pouco betão, visão aberta...panorâmica! Contudo, Veneza é impar, sim, mas Florença!!! Para mim bate Veneza...lá está, capital da época Renascentista!!!- o que me incomoda nestes países é o ruído...como aqui ou pior...falam uns sobre os outros - salvo seja - os sons ficam mais gritantes...o ruído das ruas... mesmo acontece com os gregos, - uma algarviada pegada. Mas aquelas casas em miniatura...parece um pouco a zona onde vivo, ou o centro de Cascais, um pouco mais alargado. Casas edificadas na rocha com o mar em baixo vislumbrando a linha do horizonte e quando o sol se põe o que é magnífico, assemelha-se á zona onde moro há 4 anos - que é uma aldeia mesmo, só que a 10km centro da vila(?) Sintra. Depois de 54 anos de vivência na cidade de Lisboa - já que nasci lá... - aqui! porque isto ainda é considerado área da grande Lisboa, mas já não há tanto desassossego.
Mas sabe? Há alguns anos que deixei de viajar no verdadeiro turismo: hotéis, visitas guiadas, horas para isto e aquilo, correria para compras e para ver museus, filas intermináveis...agora virei-me para outra vertente. Eco-Turismo ou ainda e sobretudo, turismo esotérico. Ainda...turismo rural ou de habitação e de preferência onde hajam actividades de "corpo são em alma sã" - para fugir ao ditado comum...onde se incluem a meditação, shiatsu, reiki, thai shi...por aí; é muito melhor - sente-se muito mais...tudo!Antigamente chegava mais cansada do que o tempo que qntecedia o embarque. Agora é uma paz e liberdade! - para nos movimentarmos e escolhermos o que se pretende fazer. Depois á noite: um concerto um bailado, ou ouvir alguém a cantar se der "na bolha"...
Experimente!
Então...
abraços viajantes
ESPAVO!
Mariz

Ruvasa disse...

Viva, Mariz!

Não, não vou experimentar isso ainda, como me aconselha, porque me sinto demasiado novo para o efeito.

:-)

É que a minha intenção é conhecer mais mundo.

Depois de África, com S. Tomé, Angola, Moçambique, Zimbabwe (ainda Rodésia) e África do Sul, comecei por Portugal, de alto a baixo, excepto... Miranda do Douro, que tenho ainda que visitar.

Depois passei a Espanha e mais adiante. A partir de 1999 (com a interrupção de 2000 em que fui rever a Madeira), tem sido uma correria por aí fora. Mas falta muita coisa.

Lá chegará o dia. Claro que ouvir alguém a cantar ou simplesmente a dar bom uso a um instrumento musical é coisa que não perco, a menos que não seja mesmo possível.

Cada uma em seu estilo, Venetia e Firenze, são duas excelentes cidades. Cada qual com suas particularidades é, como dizem alguns, um "must".

Espavo!

Ruben

Isabel Magalhães disse...

Ruben;

Voltei...

Este céu azul phtalo é um apelo.

:)

bj

I.

Mariz disse...

Ruben,
Deixo aqui, para quem quiser - já que esta foto é por demias vista e revisitada - uma letra que vem a propósito. Quem sabe, alguém fica aqui também a cantá-la?
Já agora?!
:)Mariz!
Mais um sorriso :)
ESPAVO!

Que c'est triste Venise
(Charles Aznavour)


Que c'est triste Venise
Au temps des amours mortes
Que c'est triste Venise
Quand on ne s'aime plus

On cherche encore des mots
Mais l'ennui les emporte
On voudrais bien pleurer
Mais on ne le peut plus

Que c'est triste Venise
Lorsque les barcarolles
Ne viennent souligner
Que des silences creux

Et que le coeur se serre
En voyant les gondoles
Abriter le bonheur
Des couples amoureux

Que c'est triste Venise
Au temps des amours mortes
Que c'est triste Venise
Quand on ne s'aime plus

Les musées, les églises
Ouvrent en vain leurs portes
Inutile beauté
Devant nos yeux déçus

Que c'est triste Venise
Le soir sur la lagune
Quand on cherche une main
Que l'on ne vous tend pas

Et que l'on ironise
Devant le clair de lune
Pour tenter d'oublier
Ce qu'on ne se dit pas

Adieu tout les pigeons
Qui nous ont fait escorte
Adieu Pont des Soupirs
Adieu rêves perdus

C'est trop triste Venise
Au temps des amours mortes
C'est trop triste Venise
Quand on ne s'aime plus

mariz disse...

"Demais"...queria eu dizer - esta rapidez, estraga-me a ortografia!ou a caligrafia!
srsrsrsrsr.
Abraço sorridente. :) srsrsrsr
Mariz - espavo!

Prometo não voltar aqui...foi mesmo para brincar.Escusa de se incomodar a responder...p.f.

Ruvasa disse...

Viva, Nariz!

O cher Aznavour!...

;-)

Ruben

Ruvasa disse...

Encore, Mariz!

Como é triste Veneza
quando as barcas
vêm sublinhar
apenas silêncios ocos

Veneza não tem silêncios ocos, apenas silêncios extraordinariamente faladores e... reveladores.

Ah! Que c'est mélancolique Venise!

Espavo!

Ruben

Isabel Magalhães disse...

Ruben;

Agora só falta ir ao Youtube e 'sacar' o código do vídeo...



;)

bj

I.

Ruvasa disse...

Viva, Isabel!

Irei, irei!

Abraço

Ruben