Os portugueses têm de salvar-se de si próprios, para salvarem Portugal

domingo, 19 de outubro de 2008

1820. D. Carlos I, de Portugal


O rei D. Carlos I, que reinou em Portugal de 1889 a 1908, ano em que foi assassinado no Terreiro do Paço, foi um artista de muitos talentos, em variadíssimos áreas, reconhecido em toda a Europa.


Uma das actividades artísticas a que se dedicou foi a pintura, tendo-se revelado um aguarelista de excelentes méritos.

Trago aqui três quadros seus, escolhidos ao acaso de entre uma colecção de obras que at
é mim chegaram por gentileza de António Alves.

Click na foto e na imagem dos quadros, para ampliar





...

9 comentários:

Só- Poesias e outros itens disse...

Uma surpresa aqui. O clássico sempre belo destas pinturas.

bjs.

JU Gioli

Alice Salles disse...

Nao fazia ideia! Deve ter sido por isso que foi assassinado! Por ser artista...

Ruvasa disse...

Viva, Ju!

O clássico é sempre clássico, não é assim. Não significa isto que a pintura actual não seja igualmente muito valiosa, mas acontece que eu prefiro o clássico.

Aliás, "parei" um bocado no barroco...

Bjs também

Ruben

Ruvasa disse...

Viva, Alice!

Poucas pessoas conhecem a obra artística do nosso rei D.Carlos.

A implantação da República começou, pode dizer-se, com o assassinato de D. Carlos, em 2008. Sucedeu-lhe o filho, D. Manuel II, que reinou até 2010. E o período que se seguiu à implantação da República foi os mais negros da História de Portugal, pouco tendo ficado a dever aos desvarios da Revolução Francesa. Foram desasseis anos de barbárie, que abriram o caminho para a instauração da II República, mais vulgarmente conhecida por "Estado Novo", de que foi figura principal António de Oliveira Salazar.

Os tipos da I República tudo fizeram para espurgar da História de Portugal os 800 anos anteriores. Enfim!

Abraço

Ruben

Maria Augusta disse...

Um rei artista e dos bons...que interessante! Também não sabia como a república foi implantada em Portugal, que foi uma passagem bárbara como a Revolução Francesa. Aprende-se muito passando por aqui.
Abraços e um bom dia para você.

Ruvasa disse...

Viva, Maria Augusta!

Foi, sim, amiga.

De um modo geral, não se fala muito nisso porque muitos dos actuais detentores do Poder são apaniguados dos de então. Mas que foi um período muito negro, vergonhoso mesmo, disso não restam dúvidas.

Assassinatos bárbaros mesmo, invasões nocturnas das casas de adversários políticos, com prisões e mortes, perseguições e destruição de arquivos, em incêndios de igrejas (ainda hoje - 98 anos passados - há dificuldades imensas em obter documentos históricos de registo de pessoas, por força desses incêndios assassinos).

Entre 1908 e 1926, mas principalemnte a partir de 1910, foi o caos, inclusivamente com o assassinato também do Presidente da República, em Dezembro de 1918.

Em 28 de Maio de 1926 houve uma revolução que deu a volta a tudo isto, esta, sim, sem o disparo de um único tiro, já que o 25 de Abril de 1974, contrariamente ao que se propagandeia, provocou mortos e milhares de prisões arbitrárias, até Novembro de 1975.

Dois anos após, Salazar ascendeu ao poder e a ele se deve o saneam,ento das finanças portuguesas e a restauração da ordem. Infelizmente, o homem esteve no poder tempo demais. Se tivesse sa+ido a seguir à II Guerra Mundial, hoje seria um dos maiores heróis nacionais. O Poder, porém...

Abraço

Ruben

bdkaritma disse...

thnks..
bdk@bdkaritma.com

al cardoso disse...

Mas olhe que existem muitos "xoxialistas" que vao buscar a inspiracao democratica a primeira republica de ma memoria! Pobres de nos que nao sabendo da historia, nunca poderemos aprender com os seus erros.

Um abraco de amizade dalgodrense.

Ruvasa disse...

Viva, Al!

Eu sei, amigo, eu sei.

Infelizmente o que diz é verdade, quem não quer ou não pode saber A História do seu país, dificilmente poderá colher os ensinamentoa que os erros sempre nos deixam.

Abraço

Ruben