Os portugueses têm de salvar-se de si próprios, para salvarem Portugal

domingo, 15 de março de 2009

2047. Não há marketing que te valha, pá!

15 Março 2009 - 02h00

Crise:
230 mil pessoas com dívidas nas farmácias

Reformados já pagam remédios a prestações


Já são mais de 230 mil os portugueses, sobretudo idosos e com reformas baixas, que revelam dificuldades em pagar os medicamentos que, por prescrição médica, são obrigados a tomar todos os dias. Alguns optam por adquirir menos quantidade do que a receitada, sobretudo nos remédios mais caros, como os de combate ao colesterol, e outros, a maioria, estão a optar pelo pagamento da receita em prestações, solicitando esse tipo de crédito à farmácia onde são clientes habituais.

* * *

Só que isto nada tem que ver com a crise global - como bem sabemos, essa crise ataca quem perde o emprego e pouco mais, não afectando quem o mantém e pensionistas (em vários artigos de consumo corrente, os preços até têm baixado) - mas é o resultado da política de incompetência que nos vem empobrecendo ano após ano.

Não há crise global nem marketing que o consigam disfarçar.
...

4 comentários:

Diamantino de Sousa disse...

Viva Caro Amigo: É a triste verdade. Nunca pensei que os socialistas acabassem com o "Estado Social". Os portugueses nascem nas ambulâncias; morrem antes de chegar o 112 e...mais esta.Um abraço.dp

Ruvasa disse...

Viva, Diamantino!

E essa de os portugueses morrerem antes de que chegue o 112 e irem nascer longe, nas ambulâncias e até em Badajoz, só terá fim quando nos enchermos de brios e mandarmos estes políticos que nos têm desgovernado de há três décadas para cá, eles, sim, irem morrer longe, não nas ambulâncias nem em Badajoz, mas ainda para além da Taprobana... e mesmo isso é perto demais...

Abraço

Ruben

Isabel Magalhães disse...

E quem não tem crédito na farmácia do local tem que optar entre comer ou comprar os medicamentos.

E no meio de tantos que vivem abaixo do limiar da pobreza há um estado dito socialista que gasta à tripa forra e esbanja o dinheiro dos contribuintes.

[]

I.

Ruvasa disse...

Viva, Isabel!

Mas atenção, que isto nºao é pecha socialista de agora, de Sócrates & Cª. Isto vem de longe. Tal e qaul como a fama do brandy Constantino!

[]

Ruben