Os portugueses têm de salvar-se de si próprios, para salvarem Portugal

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

2473. As legislativas de ontem

1. As legislativas de ontem vieram - o PS que não refiro porque vou deixar de mencioná-lo no concerto dos restantes partidos, enquanto tiver por capo um homem que não quero ver à frente dos destinos de Portugal, por entender que só desprestigia o País com a sua conduta - evidenciar algumas coisas já sabidas..

2. Relativamente ao eleitorado, que 36,5% dos votantes portugueses gostam é de trapalhadas e outras mascaradas semelhantes.

Quanto mais casos esquisitos houver relativamente a determinado político, mais dele gostam. Já cá se sabia disso, através dos casos Fátima Felgueiras, Isaltino Morais e outros que tais. Confirmou-se agora a nível ainda mais alto.


Tal não constitui surpresa para ninguém, pois que é sabido que o português - que foge aos impostos, cospe para o chão, bate da mulher e só não rouba e aldraba tudo e todos, não por entender que é mal feito, mas por receio de ser apanhado - tem uma congénita simpatia por marginais. É idiossincrático.

3. Há que criar no PSD a consciência de que, mesmo que todos se comportem nos mais cordatos termos e remem para o mesmo lado - coisas que não aconteceram, diga-se em abono da verdade, já que aquilo parecia mais um saco de gatos-sapatos assanhados do que um partido político... - enquanto Cavaco Silva não se reformar ou for reformado da política activa, o PSD não mais vai ser poder central em Portugal, porque tal situação contende com os interesses pessoais de Cavaco. E, assim, sendo, tudo é sacrificado aos interesses do homem.

Congreguem-se, pois, todas as forças no partido, no sentido de varrê-lo da política activa, devolvendo-o ao seco Poço de Boliqueime o mais depressa possível, se se quer que o partido volte a ter palavra determinante nos destinos de Portugal.

Desde 1995, ano que que fugiu à luta, por receio de ser derrotado, Cavaco "apunhalou" Fernando Nogueira, Santana Lopes (aqui com a ajuda inestimável de Manuela Ferreira Leite, Marcelo Rebelo de Sousa e o que não conta para este campeonado, mas está sempre entre os destruidores, José Pacheco Pereira, o eterno "testículo", que, embora colaborando, não entra por infecundidade congénita) e, finalmente, nesta oportunidade, Manuela Ferreira Leite (que, aliás, estava mesmo a pedi-las).

E Cavaco fê-lo sempre precisamente no momento em que esses companheiros de partido estavam a disputar refrega eleitoral em que já se batiam em luta muito desigual.

Cavaco é impiedoso e não se detém perante nada. Há que corrê-lo da política portuguesa, para evitar que continue a causar tanto mal, a secar tudo à sua volta. Chega de tanta ódio ao PSD!


E é mesmo dever do PSD tudo fazer para que seja corrido, mesmo que, como tudo leva a crer, venha Portugal a ter na Presidência, já no próximo mandato, um conhecido pedófilo que, como tantos outros, a justiça portuguesa não consegue perseguir, como é seu dever. Sem que se saiba porquê!

Mas, depois do que temos passado, levar um pedófilo de andor até Belém será assim coisa tão mais horrível do que tudo o resto?...


E é tudo. Por hoje.

1 comentário:

Luis Bento disse...

Ruben...eu já não vinha aqui faz tempo...o seu blog está com novo visual...muito bom e com a qualidade das intervenções de sempre. Sou obrigado a subscrever o seu texto e dar-lhe os parabéns pela excelente análise...não tinha visto as coisas por este prisma, mas agora...percebo porque ganhou o Sócrates...quer dizer, não percebo, mas pronto!
Acho que o único que ainda se revelará mais vertical e batalhador...é o Santana Lopes...
um abraço