Os portugueses têm de salvar-se de si próprios, para salvarem Portugal

segunda-feira, 21 de abril de 2008

1513. O "jongleur" falhado e sem emenda

Diz Marcelo que só se candidatará à liderança do Partido Social Democrata no "caso de se vir a verificar um vazio de poder".

É a linguagem típica dos que muito falam, muito sentenciam, mas a quem falta a coragem de actuar. É muito mais cómodo e menos arriscado não agir, para não evidenciar que não se passa de mero flop, completamente descredibilizado, sob o ponto de vista político.

Aquela frase tem uma leitura subliminar, que é a que, afinal, corresponde à verdade. Ou seja, recordando Eça, a verdade que Marcelo Rebelo de Sousa tenta esconder sob o manto diáfano da fantasia é a seguinte:

- Não me candidato a não ser que mais ninguém concorra. Só deste modo tenho a garantia de que ganho, tal é o pedestal de descrédito em que me coloquei. E eu não posso perder.

Sim, se se candidatasse e perdesse, depois de tanta verborreia dominical, onde ficaria a sua reputação de "sábio" imbatível, que tanto lhe tem custado a moldar, em sucessivas intervenções monocórdicas e sem brilho, chorrilho de "suficiências", ditadas pela incapacidade de convencer sequer número razoável de seus correlegionários?


A verdade é esta e não outra. Marcelo sente um especial gozo em abater tudo quanto mexa no PSD. É, já desde há anos, o seu hobby, a sua exclusiva razão de existência.

Aliás, é sabido que, não fora a circunstância de passar o tempo a "abater" o Partido Social Democrata, jamais lhe seria facultada a "cátedra" de que tem disposto nas TVs, por absoluta falta de audiência.


E assim se vê a que classe de pseudo-políticos estamos entregues em Portugal. Gente sem coragem, que critica, mas nada faz para modificar as coisas.

Que fez Marcelo até hoje de notável em política, em defesa da sociedade que diz defender para Portugal?

Levante-se alguém que consiga apontar o mínimo crédito em favor do homem e aponte um facto concreto, para além daquele de que tanto se ufana, por ser o único, ou seja, ter "obrigado" a que se referendasse o aborto, em 1998. Fraca realização, para tanto valor pessoal e político intrínsecos.

(Ah! Esquecia-me... Deu também um mergulho nas poluidíssimas águas no Tejo, proeza que ninguém com um grama de senso teria arriscado.)

Outro que com ele se bate, de igual para igual, com "mérito" semelhante e "obra" similar, é José Pacheco Pereira.

Ambos sabem que muito poucos social-democratas os ouvem já, pelo valor do que dizem, que é nulo em termos partidários e nacionais. Ouvem-nos, isso sim e apenas, para estarem a par do que de pior existe no Partido Social Democrata e assim, estarem precavidos.
...

10 comentários:

Camilo disse...

Se o Amigo Ruben fosse um jogador de futebol, diria que está num excepcional momento de forma.
Sim senhor! Mas que rica postagem!
Eu até pensava que o Ruben tinha relutância em "atacar" o mal pela raíz (vulgo por o nome aos bois).
Depopis do "eucaliptal-cavaco", outro facto: Marcelo só tem destruído o PSD. Inclusivé, o que disse sobre Santana Lopes,
quando 1º Ministro, comparando-o ao "pior de Guterres".
Chegou a hora de desmascarar aqueles que são os causadores do caos a que chegou o PSD.
Parabéns, Amigo Ruben.

Ruvasa disse...

Viva, Camilo!

Mas há gente que não gostou. No entanto, todos sabem quem são as pessoas que era necessário que saíssem do PSD (de preferência pelo seu pé) para ver se o partido ainda tem conserto.

Quanto a mim, são as seguintes:

1 - CAVACO SILVA, o cabecilha de todas as desestabilizações.
Começou pela de Balsemão, tendo acabado na Figueira da Foz. Por acaso deu certo, mas apenas na questão de o PSD aceder ao poder com aquele força toda. Porque no interior do PSD criou um verdadeiro deserto, que ainda se mantém, passados todos estes anos. Ninguém se atrevia a contestar fosse o que fosse. Nessa altura o PSD foi uma ditadura disfarçada. O homem nem lá punha os pés. Dava ordens aos homens que lá tinha, com evidência máxima para Manuel Dias Loureiro que, sob a capa que lhe puseram de alma poética e etc e tal, era de uma arrogância maior ainda do que a de Cavaco, porque Cavaco é tímido e ele não.
Saído do Governo, quando verificou que as coisas lhe iam sair pela culatra, lá deu o "aval" a Fernando Nogueira, para o substituir, o que veio a acontecer, Fernando Nogueira este que foi, sem desprimor para tantos outros, das pessoas mais honestas e rectas e leais que o partido já teve e a quem Cavaco muito ficou a dever de solidariedade no governo. Pois o excelentíssimo Cavaco, talvez com receio de que Nogueira pudesse vencer as eleições, deixando-o a ele mal colocado, não hesitou e, durante a campanha eleitoral, não se coibiu de dizer coisas tais que "arrumariam" as hipóteses de Nogueira, se eles as tivesse, no clima que então se vivia. Profundamente magoado, Fernando Nogueira, por quem tenho uma grande consideração, foi-se embora e nunca mais regressou à política. Saiu enojado.
Cavaco tem estado por detrás de todas as desestabilizações do partido. Todas. É o desestabilizador-mor do reino. Porque, para ele, só os seus interesses contam. No dia em que tiver a decência de se desvincular de vez, o Partido Social Democrata reganhará muito da sua essência, para não dizer outra coisa;

2 - JOSÉ PACHECO PEREIRA e MARCELO REBELO DE SOUSA, praticamente pelos mesmos motivos. No entanto, o primeiro só não é pior, porque já de há muitos anos que ninguém liga peva ao que o "filósofo da Carqueijeira" diz. Há muitos anos que aufere proventos que a Comunicação Social lhe oferece por dizer mal do PSD. Ou seja, não fosse o PSD e ele nada seria no panorama político-audiovisual nacional. Também não é, em termos de peso, mas é conhecido. Não fora o PSD e continuaria a ser um apagado professor do ISCTE como tantos outros, o que seria uma tragédia para a sua vaidade De qualquer modo, se outros não fossem os seus males - e são, como todos sabem - bastaria aquela sua pesporrência de querer mostrar que só ele sabe e malcriadamente interromper toda a gente, não deixando que ninguém acabe de expressar um pensamento, para o tornar suportável, mas apenas se se desterrasse para a Patagónia, o que, aliás, seria uma pena, já que a região é linda e ele logo estragaria tudo, só com a presença.

Quanto a Marcelo, já nem é preciso pôr mais na cartilha, porque ele se encarrega de todos os domingos mais se afundar, no prazer que tem de afundar o partido que lhe fez a tremenda injustiça de não lhe ligar patavina, por saber bem o que dali pode surgir. É o maior desperdício da política portuguesa. Com as características próprias que lhe são reconhecidas, podia ser um caso muito sério na política nacional e até internacional, ao nível da UE e sei lá que mais. No entanto, tem aquele espírito maquiavélico e pose de quem é o maior e faz os melhores cenários e previsões que o tornam insuportável. Um dia, em novo, dele disseram que era um verdadeiro "enfant terrible". O que foram fazer! Estragaram tudo. E o menino que poderia vir a ser um homem extraordinariamente válido para o país (pois tem um QI que ronda os 130 mas ele acha que anda pelos 430...), tornou-se naquilo que efectivamente é e que está à vista de todos. E há uma coisa que não perdoa ao PSD. É que o partido, no seu conjunto, não o leva a sério... porque efectivamente não pode levar. No entanto, enquanto se mantiver no partido, este sofre mesmo, porque uma coisa é dizer o que ele diz na TV enquanto membro do PSD e outra, bem diferente, é dizê-lo como mero cidadão, sem vínculo partidário.

No fundo, equivalem-se no mal que fazem ao partido, se bem que, em capacidade, não se possam comparar, JPP e MRS;

Quem tiver estado com atenção, nestes últimos anos, à vida do PSD, recordará, com toda a certeza, que estes três homens estiveram sempre no cerne dos problemas. Não faltaram uma única vez.

3 - MANUELA FERREIRA LEITE, a mulher que meteu sempre a colher nos mesmos assuntos que os anteriores (até porque faz o que Cavaco manda e nada mais...) mas que escondeu sempre a mão, na tentativa de se preservar como "reserva da república". Até que chegou o dia em que não pôde furtar-se mais a dar a cara, ainda que não o queira, porque sabe perfeitamente, como sabemos todos, que não tem estaleca para o cargo e vai levar uma valentíssima "trepa" que a vai deixar sem conserto.
Ainda bem que se candidata. Vai, agora, ser obrigada a mostrar o que vale. É mais um mito à viola. Veremos que, em termos de conquista de votos, é nada. Rigorosamente nada. Ao menos, algo mais se clarifica.

Haveria mais que deveriam sair pelo seu próprio pé, libertando o PSD das suas más influências. Mas os outros, como Capucho, são meros peões e, por eles mesmo, não são capazes de fazer grande mossa. Por isso, digo que é indispensável e urgente que estas pessoas que indiquei rasguem o cartão de sócios e vão dar uma volta ao bilhar grande, para que o Partido Social Democrata reviva. Enquanto por lá continuarem, o partido está tramado. Como estamos fartos de constatar.

Abraço

Ruben

Ruvasa disse...

Viva, Camilo!

Houve algo que me esqueci de dizer explicitamente.

José Pacheco Pereira, Marcelo Rebelo de Sousa e Manuela Ferreira Leite são os pontas de lança do Cavaco. São eles que fazem as coisas, enquanto ele se resguarda.

Basta que diga o seguinte:

Cavaco e Marcelo sempre se "odiaram". Até ao dia em que Marcelo fez aquela trapalhada toda na TVI, para fingir que fora de lá corrido por influência do governo de Santana Lopes (porque isso convinha a Cavaco).

A paga veio em Março de 2005, ou seja uns meses depois, após a eleição de Cavaco, com o lugar que este deu ao Marcelo no Conselho de Estado.

Lugar que, na verdade, não dá trabalho nenhum, é a apenas uma troca de ideias de vez em quando, o que é o ideal para Marcelo. Muito falatório, nada de concreto, nenhuma responsabilidade e... aqui vamos nós, porque se trata de um lugar de prestígio, principalmente para quem, pelos seus próprios méritos, nada consegue de palpável.

Abraço

Ruben

Camilo disse...

Comentário SUBLIME...
Merece ser divulgado.
----
E julgo ter chegado a hora de "malhar no ferro enquanto está quente".

Camilo disse...

Ainda e sobre o "eucaliptal-cavaco"
---
Depois de ter sido "tratado" e chamado como era "chamado", pelo Dr. Alberto João Jardim, causou-me espanto (disse espanto) o comportamento "analítico" do dito cujo na Pérola do Atlântico.
Mas, o Amigo Ruben, que o "conhece" melhor do que eu, não estranhou nada...!
Todavia, tenho que perguntar:
-Porquê tamanha "cambalhota"?!!!

Ruvasa disse...

Viva, Camilo!

Evidentemente que não estranhei nada. É o habitual. Ele deve ter mais alguma a preparar, já na manga. Por outro lado, tem - têm! - medo do Alberto João, que o homem quando se chateia, não está com meias medidas: põe a boca no trombone e aí vai disto.

Ora, é preciso não esquecer que Alberto João sabe muito mais deles do que eu ou qualquer outro militante de base. Está a ver o Cavaco e seus amigos a afrontarem o Alberto João, não está? E o troco? Assim sendo, engolem tudo, meu amigo. Quem não está seguro e tem medo de ser despido em praça pública depois de um farto almoço... aguenta tudo de cara alegre.

Mas não viu que o Jaime Gama também elogiou o homem da Madeira, deixando os socialistas fulos da vida?

Por que acha que tenha sido? Por gostar muito do homem? Ora, pense lá um bocadinho, que logo chegará a uma conclusão que o fará rir a bandeiras despregadas. Ou chorar, sei lá!...

Outro que tenho a certeza de que nunca afrontaria o Alberto João seria, por exemplo, o Ferro Rodrigues.

Abraço

Ruben

Isabel-F. disse...

realmente a unica coisa impar que este senhor fez foi dar o tal mergulho no Tejo ...

lembro-me bem da palhaçada na altura ...


concordo em absoluto com tudo o que dizes ... não concorre porque sabe que perderia ...


bjs

Ruvasa disse...

Viva, Isabel!

Ele gosta é de dispor da tribuna que lhe ofereceram, apenas porque "deita abaixo" o PSD.

E gosta, primeiro porque se trata de coisa de "nomeação" e não de "eleição", porque de eleição não iria lá; depois, porque não tem quem o contradite. Debita um chorrilho de coisas, algumas acertadas, outras completamente disparatadas, sem que ninguém o possa confrontar. É que nem a entrevistadora (que se presta àquele papel...) tem voto matéria

Ele e José Pacheco Pereira estão bem um para o outro. Em termos de interesse para o PSD e para o País, nada valem.

Beijinhos

Ruben

Eduardo P.L. disse...

Hoje o Varal relembra, os bons tempos,.... em que além de POLÍTICA Potuguêsa, o Sítio postava ARTE!

Forte abraço,

~C;-(

Ruvasa disse...

Viva, Eduardo!

Tem razão, mas acontece que isto por cá está cada vez pior. De tal modo que entrei em período de "nojo" (luto) durante algum tempo, sem vontade de intervir fosse no que fosse.

A dada atura, porém, não me contive e tive que dar umas "porradinhas" no alto da cabeça de uns quantos que andam, como nós cá dizemos, "a mijar demais fora do penico".

Mas vou regressar a outros temas, designadamente à Arte.

Abraço grande

Ruben