Os portugueses têm de salvar-se de si próprios, para salvarem Portugal

quinta-feira, 8 de maio de 2008

1543. O petróleo e a cartelização que não há

Não obstante o título do JN, jura-se por aí, a pés juntos, que em Portugal não há "cartelização". Nem outras maroteiras dessas.

Acredito. Piamente!

Só gostava que alguém me esclarecesse uma dúvida:

Independentemente de o preço do petróleo estar a subir desalmadamente (o que talvez venha a ser um bem, para que se procurem alternativas e se deixe, de uma vez por todas, de estar dependente de certos turbantes ou cofiós ou boinas ou lá o que é...), nunca percebi a razão por que, antes mesmo desta loucura, em Portugal - muito embora o negócio do petróleo se faça em dólares e o euro valha cada vez mais dólares - os combustíveis estavam sempre a subir, quando o País os adquiria muito mais barato do que antes da queda do dólar.

Não consigo entender. Se houvesse "cartelização" e até outras manobras manhosas, percebia-se. mas não há nada disso... Cá em Portugal? Ná!...

Há cada mistério!...
...

11 comentários:

capitan ahab disse...

Cara Ruvasa, talvez o senhor me consiga ilussidar à cerca de um assunto que muito me apoquenta. É e certo que o petrólio está em forte valorização, contudo não se entende muito bem o porque dessa valorização tão assentoada e abruta a que todos os dias asssintimos. É verdade que sendo uma fonte de energia finita esta está sujeita a tais pressões contudo não entendo, o porque de no mês passado no dia em que foi descoberto um novo "mega" campo de petrolio no Brasil o petrolio atinge um novo máximo historico. Porque? A verdade é que a industria do petrolio tem um peso tem forte no mundo que ultrapassa o poder dos próprios governos mundias sejam eles quais forem. Chega-se ao ridiculo de no "grande" país de "todas as virtudes" os USA, a própria administração taxar com menos impostos esta mesma industria. Será que esta industria já não tem lucros suficientes? Porque será que os lucros de uma petrolifera britância de nome BP aumentou os seus lucros em 25%? isto é simplesmente um negocio no qual não há controlo. Não concorda comigo?

capitan ahab disse...

Peço desculpa pelo erro que cometi no anterior post. Pretendia dizer "caro" e não "cara".
As mais sinseras desculpas

Ruvasa disse...

Viva, capitan ahab!

Claro que concordo com tudo o que escreve. Só discordo num ponto: quando afirma que não há controlo.

É por demais evidente que há controlo, mas pelos interesses ligados ao petróleo, vulgo cartelização e outras maroteiras quejandas.

Por isso eu digo que talvez seja até um bem esta subida louca, porque, não descartando os perigos que encerra, pode obrigar a que rapidamente se criem e ponham em plena laboração energias alternativas certamente haverá, mas que não são activadas porque quem controla o mundo por enquanto ainda, são os donos do petróleo. Lá fora e cá dentro...

Abraço, volte sempre e não me trate por senhor, ok?

Ruben

Isabel-F. disse...

pois é ...

é só mistérios ...

bjs

Ruvasa disse...

Viva, Isabel!

Mistérios que nem Hercule Poirot desvendaria, se chamado para o efeito.

Beijinhos

Ruben

capitan ahab disse...

É evidante que alguem controla o preço do crude a nivél mundial. Contudo quem o controla é quem paga as campanhas para as eleições nos vários países do mundo, é quem patrocina a mudança de regimes é quem paga tudo o que existe de poder no mundo. Tudo isto faz a industria do petrólio e não o faz sozinha. Todas as industrias que lhe estão associadas. Tal como a industria automovél e afins.
O que estamos a assistir neste momento é ao inicio do fim... poderá ser da nossa era se os nossos governantes não virem que temos dar uma volta de 180º na sua politica energética. Devemos começar a optar por as "energias limpas", contudo com regras e regulamentos. Tal como já referi em outro blog. Contudo vê-se pelo actual preço dos cereais que está a ocorrer uma corrida sem escrupulos e desinfriada a uma nova fonte de energia. O chamado bio-disel. Esta fonte não pode ser o nosso futuro uma vez que acarreta os mesmos problemas ambientais que o petrolio. Devemos preparnos para tomar o caminho do hidrogénio que é o elemento mais abundante do nosso universo.
Contudo existe uma pequeno grande problema. A industria petrolifera não vai facilitar esse caminho que temos obrigatoriamente tomar. Isto vê-se no facto da energia por hidrogénio já ser conhecida há décadas.
Respeitosamente

Ruvasa disse...

Viva, capitan ahad!

De acordo.

Enquanto não surgir um poder com força suficiente para vergar o poder dos negócios do petróleo, será impossível modificar as coisas.

Os cidadãos individualmente considerados não têm força nem meios para algo de muito concreto fazerem.

O perigo, que é igualmente, talvez a redenção desta triste situação, é a revolta em massa dos oprimidos, dos esfomeados, porque, talvez contraditoriamente, apenas a fome tem força para derrubar barreiras intransponíveis.

Esperemos que não cheguemos a esse ponto. Mas já faltou mais...muito mais.

Abraço

Ruben

capitan ahab disse...

É verdade a fome já rondou fronteiras mais distântes. O que se passa hoje em dia é uma vergonha para a nossa classe politica. E quando digo clsse politica não me refiro apenas ao partido no poder actualmente no nosso país. Mas sim a todos os partidos com assento na nossa assembleia.
Contudo têm uma atenuante, tudo isto que está acontecer não pode ser controlado por eles. A responsabilidade deles está em proteger o povo que sofre. Neste ponto temos que ser apartidários pois sabemos que nenhum governante seria capaz de baixar impostos sobre hidrocarbonetos sem que caisse numa medida populista. Temos que nos corvar perante todas as iniciativas de apoio ás energia renovaveis que o engenheiro (ou talvez não) no poder tomou. Actualmente a potência instalada na nossa rede, que tem como fonte as energias renovaveis cresce todos os dias. Contudo deveria crecer de forma exponencial para que os nosso filhos e netos encontrassem um planeta pelo menos igual ao que encontrámos. Isso já seria bom, mas não passa de um mero sonho, de uma utopia, uma vez que segundo dados que li de uma revista, o nosso planeta já entrou num ciclo do qual não hà retorno.
Portanto acho que o nosso "pequeno País à beira mar plantado" não terá qualquer hipotese de sozinho se proteger ou tentar atenuar a grave crise socio-economica que atravessamos. Obrigado

Ruvasa disse...

Viva, capitan Ahab!

Sim, Portugal não tem grandes possibilidades de se valer por si só.

Mas, mesmo que tivesse, a forma cretina como tem sido governado de há muitos anos para cá, tirava-lhas todas.

Abraço

Ruben

capitan ahab disse...

É de facto uma verdade, nua e crua. Contudo no nosso horizonte politico não há dislumbro nenhum politico capaz de colocar o nosso País no lugar para o qual a história nos reservou lugar. É uma pena que assim seja. Sou um jovem contudo olho para o futuro á minha frente e vejo uma tempestade cada vez maior. Sinto que vou entrar numa tempestade que se chama mundo... Não sei por ventura se o Ruben que tem com toda a certeza mais alguns anos e experiencia de vida que eu dislumbra o mesmo horizonte que eu.
Respeitosamente

Ruvasa disse...

Viva, capitan!

Na verdade, a coisa está preta, como dizem os brasileiros. E bem preta. No entanto, a última coisa a morrer deve ser a esperança. Principalmente os jovens, de quem deve ser o futuro. E que devem construir esse futuro.

Se cada um de per si e todos em conjunto tentarem melhorar-se e melhorar algo à sua volta, a soma dessas melhorias só pode dar uma melhoria geral, com o que todos ganharão e o país com todos.

Embora já com uma idade razoável (tenho quase 66 anos), muito embora me sinta um jovem, continuo optimista como sempre fui.

Acredito nas pessoas (bem... nem em todas, que algumas, como bem sabemos, não têm remédio...) e, por conseguinte, acredito no futuro.

Acredite também e faça com que outros acreditem consigo. Vale a pena, mesmo quando nos achamos incompreendidos e até desfrutados por gente que não consegue fugir da idiotia em que chafurda.

Abraço

Ruben