Os portugueses têm de salvar-se de si próprios, para salvarem Portugal

domingo, 11 de maio de 2008

1554. Planeamento de excelência

Acabo de receber este email.
No comments
.


* * *

Assunto: O metro mais bem planeado e os autarcas mais inteligentes

Há sessenta anos que há aeroporto na Portela, e há cinquenta que há metropolitano em Lisboa.


Há quantos anos há metro no aeroporto (dentro da cidade)? Ainda não há; estão a construí-lo.


Há cinquenta anos que os utentes do Aeroporto de Lisboa poderiam usar o metro para lá chegar – se a estação do aeroporto existisse. Não existe, e os autocarros são escassos e não estão preparados para bagagens – na sua maioria, os utentes têm que ir de carro ou táxi.


Parece que a estação de metro finalmente vai ser inaugurada… pela mesma altura em que o aeroporto da Portela supostamente será desactivado.


Não sei há quantos anos existe a estação de comboios de Santa Apolónia, mas foi muito antes de haver metro.


Desde que há metro que os utentes da estação de Santa Apolónia poderiam usar o metro para lá chegar – se a estação de Santa Apolónia existisse. Já existe: foi inaugurada há quatro meses.


Construí-la foi uma monumental obra pública, que teve seriíssimos problemas durante a sua execução, demorou anos e anos e custou o triplo ou o quádruplo do inicialmente previsto.


E quatro meses depois de inaugurada a conclusão de tão longa empreitada, tão trabalhosa, tão cara e tão custosa para os lisboetas, qual é a ideia?



Encerrar a estação de Santa Apolónia à actividade ferroviária


(e guardá-la para “terminal de cruzeiros” – é bem sabido que quem faz cruzeiros em Portugal anda de metro todos os dias).


Digam lá – há coisa mais bem planeada que o metro de Lisboa? Haverá pessoas mais iluminadas que os autarcas de Lisboa?


Filipe Moura

Gentileza de J.F.Faria

...

3 comentários:

Isabel Magalhães disse...

Olá Ruben;

Pondo de parte - por agora - o encerramento da actividade ferroviária da Estação de Santa Apolónia, o terminal de cruzeiros, os turistas, o poder de compra deles, a 'iluminação' dos autarcas de Lisboa (e do País), quem escreveu o artigo esqueceu-se que os habitantes da zona de Santa Apolónia e arredores mais os que lá se deslocam, encontram utilidade na possibilidade de usarem o metro. Penso eu de que...

:)

bj

I.

Ruvasa disse...

Viva, Isabel!

É verdade o que escreveu.

O caricato, porém, é o anúncio do encerramento, agora que o Metro lá está a chegar. E mais: de que o fundamento usado para que o metro fosse estendido a Santa Apolónia, era precisamente a ligação ao caminho de ferro.

E o mesmo se diga em relação à Portela.

Portugal não é "o país das maravilhas"? Claro que é.

bj

Ruben

Mariz disse...

Só consigo fazer uma coisa: rir...rir...rir!
É que as gentes da nossa terra riem pouco...é por isso que as depressões aumentam - já que somos um dos países - da cauda - que mais consome drogas para esse fim... - será que a Letónia também...????("penso eu de que"...pela proximidade?!....)
Realmente concordo com o que o Ruben diz...não há comentários...mas, de certo, se se fosse pedir explicações, ao autarca actual, ele responderá, que foi decisão do outro... e se fossemos chamar todos os autarcas até ao mandato do "cenourinha", ou antes até...nem seria necessário deitarmo-nos a adivinhar qual seria a resposta, não Ruben?
Pois é! Seria como as crianças: "eu não fui"...foi aquele menino! ah! eu também não fui...foi o outro menino!...e assim sucessivamente! O que é que se há-de fazer? Já que não podem apanhar tau-tau porque se violam os direitos das crianças, e isso é crime e de certo dava prisão, - em vez deles - então, só resta aquela velha actuação, igual a tantas outras, que caíu já na rotina/hábito: "faz-se de conta", que não se passou nada! E quanto aos meninos... avisam-se, que numa próxima oportunidade, em que nos confrontarem com tamanho supra sumo de inteligência... vão então, ser castigados!
Porém...todos eles sabem, que jamais isso acontecerá...
Este episódio, faz-me lembrar a maioria dos pais: queixam-se desabafando (e alto, que é o que incomoda mais): "não tenho mão no meu filho/a e nem sei, o que lhe hei-de fazer"!
Mas há resposta para isto também Ruben? é o que mais se ouve...
Bom..1º os pais deveriam tirar uns cursos em educação. E 2º não se deveriam armar em filhos dos pròprios filhos! Há que saber manter um pouco a distância, saber dar-se ao respeito, e sobretudo que esse respeito seja acompanhado por um ligeiro toque de cerimónia...é que assim, nunca haverá uma liberdade sequer, ou um tom indevido! O meu pai dizia que preferia que não o respeitassem mas que fizessem alguma cerimónia...assim as pessoas saberiam qual era o seu lugar perante os demais - e aqui não se trata de distinguir classes - mas sim de as pessoas perceberem até onde vão os seus limites.... porque essa frase já gasta: "a minha liberdade acaba, quando começa a do outro" - ninguém sabe muito bem o que realmente quer dizer! - mais a mais se o novo acordo ortográfico entrar em vigor...pior!" - rsrsrsrsr!
eu estou cá, só para me rir!
Palavra! tive de adoptar este sistema!
E pronto! não tinha intenções de me alongar...mas o que é que quer? este "bicho" corrói-me até ás entranhas! Nem com insecticida isto lá vai!

Abraço Ruben!
Mariz

ESPAVO-PASMO!