Os portugueses têm de salvar-se de si próprios, para salvarem Portugal

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2007

854. Importa-se de repetir, pr'á gente entender?

Jornal"Público"

Ora aqui têm, Vocências, um exemplo típico do "quero, mas não sei se quero", do "talvez seja melhor não querer... ou querer, sei lá!...".
.....
Alguém me ensina como se faz para agradar a todos?
...
Alguém que me ajude! (GULP!!!) ..

13 comentários:

Pedro disse...

Como se faz para agradar a todos?
Muito simples: direito de escolha. Quem quer abortar aborta, quem não quer abortar não aborta.

O resto são hipocrisias.

Sulista disse...

hipocrisia é chamar crime depois das 10semanas e antes, deixar de o ser! Afinal, é crime ou não é??

E, se não é, porque é que tds os países consideram o aborto um CRIME a partir das 10/14 semanas???!!!

...ainda vêm falar em hipocrisia!!
Ora badamerda desculpe lá!

.

ps- Ruben,
enviei o teu post/link de baixo,
por email ao pessoal ;-)
Ah! depois passa por 'lá'...
beijinho

Sulista disse...

Agora é que consegui visualizar a tua imagem deste post.
Acho esta ideia mt mais lógica do que a pergunta absurda e torta do referendo.
Eu não quero ver nenhuma mulher presa por fazer um aborto.

Mais Bjs

Pedro disse...

Caro Ruben para mim não é crime seja às 6, às 10 ou às 20.

Compreendo a necessidade de se criar um "limite" e q a ciência se encarregue de explicar o pq da escolha.

Hipocria é defender a liberdade e depois impedir q as pessoas sejam livres de escolher.

Tão simples qt isso.

Uma coisa é certa em dois referendos e em muitos debates pelo meio NUNCA ouvi da parte do NÃO argumentação coerente e lógica.

Ruvasa disse...

Viva, MJoão!

Hipocrisia é a posição de grande parte dos apoiantes do Sim. Porque sabem que estão fora da razão e o que propõem é contrário - e ofende gravemente - aos mais elementares e nobres princípios da Ética e da Moral.

Afirmo que é grande parte dos apoiantes do Sim e não a totalidade, porque, entre eles, há gente séria e sinceramente convencida de que está no caminho certo. Um dia, porém, aperceber-se-ão da realidade.

Mas esta de um feto com 9 semanas e seis dias poder ser estraçalhado, mas com 10 semanas e um dia, ou seja, 2 dias depois já não, só podia conter-se na cabeça brilhante do homónimo do célebre filósofo ateniense. E de outros como ele.

Beijinhos

Ruben

Ruvasa disse...

Viva, Pedro!

Quer argumentação mais coerente e lógica do que a defesa - em primeiro lugar e acima de tudo - da vida humana e a preservação da Humanidade?

Não invertamos os valores, Pedro. Por favor. Há valores éticos, morais e de toda a espécie que quiser que se sobrepõem a quaisquer outros.

São esses valores que fazem com que a Humanidade subsista. Sem eles, acaba rapidamente.

Abraço

Ruben

Pedro disse...

"concordo com o aborto por razões exclusivamente médicas"

Disse o amigo Ruben em resposta à pergunta q lhe fiz.

Pergunto-lhe outra: pq razão tem esta vida menos valor q as outras?

Aqui se encerra a questão do "sou pela vida" e entramos no debate do "sou pela QUALIDADE de vida". E aí, não há volta a dar-lhe, só se pode votar no SIM. É tão simples.

Pedro disse...

"Há valores éticos, morais e de toda a espécie que quiser que se sobrepõem a quaisquer outros."

Exactamente amigo Ruben...e é por isso q o SIM tem q ganhar. É por isso q o SIM é tão importante. Para q os valores morais e éticos de CADA UM estejam salvaguardados.

Ruvasa disse...

Viva, Pedro!

Mas não é desses valores éticos e morais que falo. Os valores éticos e morais de cada um são tremendamente subjectivos e, na maioria dos casos, terrivelmente parciais e injustos.

Abraço

Ruben

Ruvasa disse...

Viva, Pedro!

A vida não se pode medir como qualquer outro "serviço". Nesta questão não se pode invocar a qualidade de vida. Apenas a vida. Se entrássemos nesse campo, então seria o descalabro. E, para descalabros, já basta o que basta...

Quando refiro as razões médicas, são as que estão contidas na actual lei, ou seja,

* real perigo de vida da mãe, situação em que há que optar por uma de duas vidas. Quem sabe se a que faz mais falta, como, por exemplo, a mãe de outros filhos já nascidos;

* inviabilidade de vida do feto, ou seja, malformação que inviabilize que a criança, se vier a nascer, tenha uma mínima probabilidade de subsistir.

Nestes dois casos, não há remédio possível, não existe qualquer alternativa, para além do que está consagrado em lei.

Em todos os outros, nada disto se verifica. Há remédio, ou seja, há outras formas de obstar aos inconvenientes ou os inconvenientes são tais que, por si só, os intervenientes os resolvem, sem necessidade de homicídio.

Abraço

Ruben

Pedro disse...

Mas nesse caso tb uma "vida" é "estralhaçada". Logo há vidas e vidas, depende da opnião de cada um.

Tal como a ética e a moral. Como o Ruben diz é subsjectivo. Se é subsjectivo então deixemos cada um decidir por si. Essa liberdade não tem preço e é essa liberdade q o SIM permite.

O NÃO obriga-me a ter a mesma ética e a mesma moral q o Ruben e isso não posso aceitar.

Ruvasa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ruvasa disse...

Viva, Pedro!

Não posso acrescentar mais ao que disse já.

A ética e a moral individuais, isto é, de cada um, não são mesma Ética e Moral de que falo, isto é a Ética e a Moral da Humanidade em geral e não a do Zé Pinguinhas da Silva, amigo do tintol e que dá porrada na mulher e nos filhos.

A ética e a moral de cada um podem dar na ética e na moral de um qualquer Adolfo, de bigode ridículo e gritaria estridente e ainda mais ridícula. Altamente perigosa.

Se deixamos essas éticas e essas morais ao vento do livre arbítrio de qualquer um, o melhor é "fecharmos a loja" e "mudarmos de ramo", com morada noutra galáxia.

A sua teoria, Pedro, levar-nos-ia onde? Já pensou bem no assunto?

Cada qual teria a sua ética e a sua moral e levá-la-ia a vingar na sociedade em que vivesse, sem prestar contas a ninguém.

Quer "governar-se" com a ética e com a moral de um serial killer? Ou com as de um genocida? Ou com as de um qualquer outro anormal?

Liberdade por liberdade... ou bem que é para todos ou...

A liberdade tem que ser entendida nos seus precisos termos e limites, ou seja, onde começa a sua, termina a minha. E assim sucessivamente.

Se assim não fosse, estaríamos no reino da "jungle". E é para onde avançamos.

Abraço

Ruben

NB.- Já notou que estamops a malhar em ferro frio?