Os portugueses têm de salvar-se de si próprios, para salvarem Portugal

segunda-feira, 19 de março de 2007

944. All... parvo!


Ora diga lá: acha que ainda há dúvidas? Não?

Claro! Tem toda a razão!...

Não restam dúvidas: All... parvo!


Explicava assim o sôr ministro:

- "All" é uma palavra que significa "tudo" - e nem se deu ao cuidado de dizer em que língua, certamente porque partiu do princípio de que toda a gente que assistia às suas open mind sentences conhece a língua de que se trata e a que se referia, sem o mencionar, o sôr ministro.

Ora, se é como o sôr ministro afirma, o nosso Algarve, cuja designação até agora provinha do árabe al-Gharb al-Ândalus, ou seja, o ocidente de Andaluz, mais explicitamente, a parte ocidental de uma Andaluzia, que constituía o centro islâmico da cultura, da ciência e da tecnologia da Península Ibérica, portanto, Al-Gharb, Algarve, agora deixou de ser o que sermpre foi. Por obra e graça do sôr ministro e de outras iluminações que por aí peripateticam.

Pois bem, sigamos, então, o brilhante raciocínio do sôr ministro que, certamente não por desconhecimento, menos ainda por desleixo, mas vá lá saber-se porquê!, resolveu que se deixasse passar à desfilada sobre estas coisas, como cão por vinha vindimada.

Se Algarve significa originalmente "o ocidente", e o sôr ministro, do alto da sua cátedra, afirma que "all" significa "tudo", digamos que daí se retira que Allgarve, passará a significar "tudo-ocidente", o que, assim à primeira vista, parece coisa estranhíssima... sem sentido nenhum... aberrante, não?


Dando der barato que nós, portugueses, temos que os sofrer, somos obrigados a padecer da maleita atroz que se revela este governo a cada cavadela que dá, pergunto:

- Mas... e os árabes? Que andaram os homens dos turbantes a fazer por cá, para, "all" fim, nos deixarem uma herança de raiz não árabe mas inglesa, precisamente numa época em que de ingleses e aparentados nem cheiro?


Allgarve = tudo ocidente!... Não será antes tudo-acidente? Acidente o sofrermos as dores das chagas que este governo nos inflinge quase diariamente?

ALLPARVO, sem dúvida! Ou seja, nas palavras do próprio sôr ministro - sim, que eu jamais me atreveria a não seguir rigorosamente a pisadas ministeriais - TUDO PARVO!

Eu, pelo menos, estou. Palavra! Raios me partam se esta alguma vez me passou pelo bestunto! Nem a Belzebu tal lembraria.

Numa coisa estamos todos de acordo, creio:

Há, na verdade, experiências que marcam. Como ferrete. Esta é seguramente uma delas.

Porra, minha gente! Tem que haver um limite para tudo. Até para...

...

4 comentários:

Sulista disse...

Chama-lhe lá allparvo?!

;-)


...o Belzebu é um porreiraço!
Ahahahahaha...


BEijinho

Ruvasa disse...

Viva, Maria João!

Quem, eu?!

Eu era lá capaz de yal!

Beijinho

Ruben

Isabel-F. disse...

ALLPARVA

estou eu _______--

e enjoada _____ e enojada cada vez mais com tudo isto ________

mas quando será que acontece alguma coisa neste País que mude esta trampa toda?????????


bjs

Ruvasa disse...

Viva, Isabel!

Estamos todos parvos! Está tudo parvo! All...Parvo!, na verdade.

Mas mais ainda com outras coisas. Ora vê o post 945.

Beijinho

Ruben